azul

azul e vermelho

Se eu todos os dias tirar mais dez fotografias e dessas dez o balanço da A. no sling fizer com que só nove fiquem tremidas, de quantos mais dias precisarei para fazer um levantamento completo dos azulejos do meu bairro?

7 comments » Write a comment

  1. …também hoje a cidade de Lisboa ficou bem mais pobre; a Igreja de São Lourenço no Largo da Rosa (Mouraria) viu os azulejos de grutescos de inícios de Seiscentos partirem por mãos alheias para destinos desconhecidos…. depois de quatro séculos a embelezarem o altar-mor daquela igreja.

    A classe política tem que tomar medidas proteccionistas bem rígidas a fim que se acabe de uma vez por todas com a compra ilícita de azulejos… POR FAVOR, NÃO COMPREM AZULEJOS ANTIGOS! …estes eram únicos, já dizia o José Meco (entidade máxima no estudo da azulejaria portuguesa)

  2. destes já não se fazem…são lindissimos.

    mais vale ir fazendo um registo…daqui a uns anos será algo de grande valor…eu não acredito que este patrimonio subsista por muito mais tempo…

    é uma pena…

  3. Que paradóxo ! Pois, aqui em França, quando se fala de Portugal, hà sempre gente a “louvar” a beleza dos azulejos portugueses (passo nos inúmeros comentários sobre o bacalhau), quase todos os documentários (culturais verdade seja) falam desse incrível património artístico que é o azulejo … Que pena ! É engraçado porque nesta foto que tu tiraste, vêem-se dois mundos que (talvez possam continuar a co-habitar) cohabitam, o moderno com o vermelho do tag e o antigo com os azulejos azuis … Gosto muito desta foto ! E, mais uma vez, que bom cá vir matar a saudade de Lisboa … Kuya Lisboa …

Leave a Reply

Required fields are marked *.


You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>