fair isle (3)

fair isle

fair isle

Ainda posso deitar a perder todas estas horas de trabalho, mas até agora está a correr bem e a ser um trabalho viciante (o modelo chama-se Hilhead Slipover). Ao contrário do que acontece em geral nas camisolas e coletes, na técnica de Fair Isle a peça é tricotada circularmente do princípio ao fim, montando-se malhas extra na zona do decote e das cavas que depois são cortadas com a tesoura. Convém nao fazer asneira… A seguir sou capaz de tentar o padrão OXO deste livro.

fair isle

fair isle

18 comments » Write a comment

  1. que linda! e quando falas nesses cortes à tesourada até tenho arrepios, gabo-te a coragem :-)
    cada vez tenho mais vontade de me voltar a aventurar no tricot, está para breve!

  2. Bem, está fantástica. Mas cortar…ui…acho que a ficava a “namorar” durante uns tempos antes de ganhar coragem para tal :-)

  3. linda mesmo! fico também curiosa onde encontras tempo! minha avó fazia toalhas de mesa enormes e colchas para todas as camas da casa (tudo isso ainda existe, minha avó já se foi), mas levava meses, porque ela trabalhava fora durante o dia, e só depois do jantar pegava as agulhas de crochê. ela tentou me ensinar várias vezes, mas eu nunca tive paciência para esse trabalho täo lento. hoje, claro, sinto muito por näo ter tentado por mais de 15 minutos, seria maravilhoso saber engendrar täo belas malhas, mas acho que eu näo encontraria tempo, tudo o que me sobra da família é gasto na máquina de costura :)

Leave a Reply

Required fields are marked *.