a transumância ii

américo

miguel

É outro estar, em que o silêncio não cansa, viver de homens em que fomos intrusas. O convívio e a amizade que elegem como valores não traduzem o afecto entre pastores que choraram juntos de medo quando numa noite de trovoada viram os raios estilhaçar os penedos à sua volta, que salvaram por pouco o rebanho de um incêndio ou que partilharam semanas quase isolados no cume da montanha. Estranho e fascinante mundo em que as mulheres parecem o sólido fio de terra, portadoras da bucha, da roupa e dos filhos, mas não das estrelas.

descanso

descanso

15 comments » Write a comment

  1. acho que todos eles têem a sinceridade estampada nos rostos; e também se vestiram muito elegantemente, sem dúvida para serem fotografados pelas 2 acompanhantes :)

  2. Tenho andado a acompanhar a aventura, ora aqui, ora na Xuxudidi, ora no FB. Delicioso.
    Mas não podia deixar de comentar: que lindas fotos!
    :)

  3. como descreve os momentos com tanta simplicidade, lindissimo. Gosto muito de passar por aqui que sinto tão grande ligação como as nossas raízes

  4. Estou encantada! O que contas sobre essa viagem me traz um profundo sentimento de verdade e plenitude. Imagino que essas pessoas sentem genuinamente, sabem que são parte do universo, da natureza… e vivem essa comunhão no seu cotidiano. Tuas palavras são poesia!

  5. Excelente!
    As duas primeiras fotografias mereceriam um prémio ou qualquer coisa assim…que iniciativa valiosa esta de acompanhar a transumância. Há tanto de bonito e desconhecido para mostrar.
    Às vezes questiono-me: onde andam os jornalistas?

  6. Pingback: A Ervilha Cor de Rosa » lá em cima:

  7. Pingback: pêras e cabeçadas: os furos | A Ervilha Cor de Rosa

  8. Pingback: os pompons | A Ervilha Cor de Rosa

Leave a Reply

Required fields are marked *.


You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>