utilité

utilité

utilité

Alguém disse ao meu pai que me disse a mim que eu ia gostar deste livro. É o catálogo da exposição homónima da fotógrafa Ellen Korth. Cada conjunto de páginas mostra o interior de uma casa ou atelier, alguém a trabalhar com fios e um grande plano ou pormenor de uma peça. Uns fazem malha, outros cardam, outros tecem, uns parecem solitários, outros profissionais, mas em todos é captado aquele momento em que somos só nós e o fio, como num mantra. Acho que ainda há exemplares à venda neste site, e aqui pode ver-se melhor o livro por dentro. Read more →

tricot de dedo

tricot de dedo

tricot de dedo

No dia em que, apesar do calor, a A. quis pavonear o seu casaco novo no recreio, chegou a casa a dizer que a professora de cantina e de sesta a tinha ensinado a fazer tricot. E tinha mesmo: tirou da mochila um colar feito durante o recreio e desde aí fez mais um monte deles, tão concentrada como divertida. O tricot de dedo (instruções em Inglês) é a mesma coisa que o rabo de gato, mas feito sem mais material do que um novelo de fio. Fica óptimo com trapiho ou uma lã grossa, e está provado que de tão simples pode ser feito por uma criança de quatro anos. Read more →

:)

prenda do toino

Esta tarde, na varanda:

O velo branco desta tosquia, depois de lavado e antes de ser estendido a secar.

A A. com um dos meus lenços novos. Fi-los com retalhos de riscados portugueses (salvos da trituradora) a pensar no vestir das mulheres alentejanas e acrescentei-lhe os biquinhos que povoam muitas das nossas mantas e taleigos.

From this afternoon, in the balcony:

The white fleece i’ve got from António the shepherd a few days ago. Washed and ready to dry under the sun.

A. wearing one of my new scarves in the old Alentejo way. The colors are inspired by the blues and greys of the women’s work clothes and the prairie points come from many of our traditional quilts and taleigos.

tingir

tingir

ruiva

A minha paleta de beiroas tingidas com corantes naturais vai crescendo aos poucos. Como não tenho balanças em casa não consigo dar receitas exactas do que já fiz, mas posso dizer que:

1. A segunda meada a contar da esquerda foi tingida com líquenes oferecidos pela Alice iguais aos que usei aqui mas mordentada (acho que durante tempo de menos) com alúmen. A cor ficou distribuída mais uniformemente mas bastante pálida. Tanto quanto sei, para obter cores mais interessantes a partir dos líquenes, estes têm de ser fermentados durante muito tempo (o agente usado tradicionalmente neste processo é urina). Num apartamento não me está a parecer possível fazer experiências assim tão radicais.

2. A terceira meada foi tingida com cascas de cebola e vinagre. A receita mais simples de todas é: pedir à merceeira da rua para nos guardar as cascas das cebolas (em casa demora muito tempo a conseguir uma quantidade suficiente por muito estrugido que se faça). Pôr as cascas e a lã num tacho com água suficiente para a lã estar totalmente submersa e aquecer muito lentamente. Voltar a lã de vez em quando para homogeneizar a tintura mas com muito cuidado para não feltrar. Deixar no lume mínimo umas duas horas sem que a água ferva. Juntar vinagre para fixar a cor (mesmo assim durante a lavagem da lã a seguir à tintura saiu bastante tinta).

3. A meada da direita foi mordentada em alúmen durante umas horas, depois lavada e a seguir tingida com cascas de cebola da mesma maneira que a anterior. O resultado foi absolutamente surpreendente. O alúmen é uma substância conhecida desde a antiguidade e encontra-se à venda por exemplo na Drogaria Central, na Baixa. Como não é tóxica nem cara, esta experiência de tintura caseira com casca de cebola é boa para fazer com crianças.

A seguir vou experimentar a Garança ou Ruiva, que a Maria Adelaide me ofereceu há dias. Read more →

líquenes

liquen

beiroa com liquen

Na Gralheira o chão estava coberto de líquenes. Colhemos um saco deles, mesmo sem saber se seriam os mais indicados para tingir. À noite secaram junto à lareira e no dia seguinte, já em Lisboa, pu-los num tacho com água e deixei ferver uns minutos. Pareceu-me que a água não mudava de cor e achei que a experiência não ia resultar, mas juntei-lhes uma meada de Beiroa e deixei cozer em lume muito brando durante cerca de uma hora. Passado este tempo a lã tinha ganho uma cor dourada muito bonita. Não foi preciso juntar vinagre nem nenhum dos mordentes que muitos pigmentos naturais exigem para se fixar à lã.

É mais um tema que apetece estudar e experimentar. Algumas pistas de leitura: Read more →

esta tarde

Neste momento

A Ana e a Alexandra a fazer meia em versão hipstamatic.

To me, knitting is symbolic of a long history of women and textile. It is a cultural site, where women learn from other women. The production of clothing is a loaded point where economies meet and powers struggle. When we look at our modern, global economy, the industry of textile nearly always sits center-stage in any argument about labor, exploitation and trade. The production of textile is, and always has been an expensive endeavor. And women, historically, have always participated in that production.
in Save me from something else.

Page 3 of 2712345...1020...Last »