d. laudecena

a lã, o fuso e a roca

d. laudecena

Perto de Penafiel, fui aprender a fiar na roca, que é diferente de fiar com a lã pousada ou arrumada num cestinho. Ainda estou longe de ter coberto toda a bibliografia etnográfica sobre fiação manual, mas quase que aposto que nenhuma saiu da pena de alguém que dominasse o processo sem ser na teoria. Assim, ainda nem sequer consegui encontrar a tradução para worsted e woolen, as duas formas fundamentais de criar o fio a partir das fibras de lã (sugestões?). A D. Laudecena de Peroselo ensinou-me a abrir a lã com as mãos (o que torna possível fiá-la sem ter sido cardada) e a pô-la na roca, e depois a usar os dedos da mão esquerda para ir puxando as fibras da maneira certa (criando um fio woolen). Também conheci a D. Ana, tecedeira da localidade, cujo tear não cheguei a ver mas que vai ter as suas mantas na Agrival, uma feira que se realiza há trinta anos. Tanto quanto percebi é em boa medida a dita feira que mantém activos os artesãos da região, estimulando a produção, organizando os transportes e permitindo o encontro entre quem faz e quem compra.

abrir a lã

a mão esquerda

11 comments » Write a comment

  1. Que interessante a tua visita ao Norte. Vivi infância e juventude perto de Penafiel e também estudei lá. A Agrival é uma feira antiga, era visita obrigatória no meu periodo de férias escolares.

    Gostei do Museu de Panafiel, irei visitar numa próxima ida à terra. As minhas filhas já foram com a Avó e gostaram.

  2. You never cease to amaze me – what you do is so interesting, and very valuable from a folk tradition and ethnographic point of view.

  3. Fantástico!
    Obrigada Rosa, por estares a reunir informação, partilhar e a dinamizar estas tradições em vias de extinção do nosso país!
    O teu trabalho não tem preço!

    bjs e boa continuação!

  4. Olá, Rosa.
    Fiz o curso de fiação e tecelagem há dois anos. Aprende-se a fiar em máquinas a pedal, que chamamos “Roca”. O fio deve ser lavado, seco e cardado a mão (tenho um par de cardas, por sinal). Aprende-se também tingimento com produtos naturais (casca de cebola, ervas, madeira, etc)
    Se quiser dar uma olhada, o site é http://www.sitioduascachoeiras.com.br
    Ana Lacunza

  5. Pingback: A Ervilha Cor de Rosa » d. vitorina:

  6. Pingback: A Ervilha Cor de Rosa » ti paula:

  7. Pingback: o fuso de tipo 4 | A Ervilha Cor de Rosa

Leave a Reply

Required fields are marked *.